Fogo controlado como técnica de requalificação da paisagem florestal em Portugal (2016, Torres, A.P.O.)

Como casos de avaliação utilizaram-se três projetos situados em diferentes zonas do país: serra do Marão (fogo controlado e pastoreio tradicional), Vila Pouca de Aguiar (fogo controlado e pastoreio dirigido) e Tapada Nacional de Mafra (fogo controlado, pastoreio selvagem e regeneração controlada), avaliando-se qualitativamente o modo como a aplicação da técnica do fogo controlado e técnicas complementares contribuíram ou não para um melhor desenho e leitura da paisagem.

http://apap.pt/wp-content/uploads/2017/08/Preciosa-Torres.pdf

Pastoreio de baixa-intensidade com herbívoros domésticos: uma ferramenta para manter e restaurar a diversidade vegetal na Europa temperada (Rosenthal, G., Schrautzer, J. & Eichberg, C., 2012)

Low-intensity grazing with domestic herbivores: A tool for maintaining and restoring plant diversityin temperate Europe

Rosenthal, G., Schrautzer, J. & Eichberg, C. (2012)

Resumo

O declinio continuo da biodiversidade em algumas paisagens europeias levou recentemente à (re)implementação de sistemas de pastoreio de baixa intensidade como uma alternativa a práticas de conservação mais onerosas. Esta abordagem tem pretendido desenvolver complexos de habitats e aumentar a diversidade vegetal à escala local e à escala da paisagem.

Os principais objectivos desta revisão passam por compreender os processos através dos quais os grandes herbívoros (vacas, cavalos, ovelhas, cabras, porcos) desempenham um papel chave que afecta a diversidade vegetal e fornecer um enquadramento para investigação e práticas de conservação futuras. A bibliografia revista aborda uma grande amplitude de tipos de ecossistemas em várias regiões da Europa com enfase nos recentes resultados recolhidos na Europa central.

 

O pastoreio de baixa intensidade potencia os gradientes ambientais existentes e gera variabilidade (manifold) de padrões de distúrbio em várias escalas espaciais resultando em alta diversidade de habitats. Adicionalmente, o comportamento de herbivoria selectiva facilita a coexistência de espécies vegetais representantes de vários géneros funcionais incluindo um número considerável de espécies sensíveis ao pastoreio e espécies ameaçadas.
A co-ocorrência de processos sucessionais regressivos e progressivos com o pastoreio resulta em alta diversidade à escala da paisagem observável pouco depois da (re)implementação do pastoreio. A persistência de estádios da sucessão pobres em espécies, dominados por gramíneas e outras herbáceas competitivas pode,em muitos casos, ser inibida pelo pastoreio. Os grandes herbívoros domésticos servem de vectores efectivos na dispersão da diáspora aumentando a conectividade entre populações vegetais isoladas.Há um efeito combinado da diáspora dispersiva e a criação de micro-nichos que podem aumentar a probabilidade das "diásporas" germinarem e estabelecerem-se com sucesso.

Artigo original: https://www.researchgate.net/publication/265698388_Low-intensity_grazing_with_domestic_herbivores_A_tool_for_maintaining_and_restoring_plant_diversity_in_temperate_Europe

Comportamento alimentar de cabras em pastoreio livre (Raats, J.G., 1998)

"O espectro normal de plantas selecionadas, bem como a preferência por certas plantas ou partes de plantas dentro deste espectro, é dependente de muitos fatores ainda pouco compreendidos. Esses fatores incluem  fatores ambientais (temperatura, topografia, disponibilidade ou abundância de várias plantas espécies), fatores relacionadas com os animais (constituição genética, experiência prévia ou condicionamento, estado nutricional e fisiológico do animal, etc.) e fatores de maneio (taxa de lotação, período de ocupação, suplementação etc.)."

http://www.library.up.ac.za/vet/goat/documents/sec31.pdf

Pastoreio com cabras, as suas interações com outros herbívoros e questões de conservação de biodiversidade (Garcia et al, 2012)

Nalguns ambientes as cabras desenvolveram-se em harmonia com as condições locais de clima, relevo, vegetação e patógenos ao longo de séculos, enquanto noutros são acusadas de provocar degradação ambiental. Este artigo sumariza a situação da população caprina no mundo, a situação das raças e as múltiplas questões em torno da sua conservação, as interações entre as cabras e outras espécies animais (selvagens e domésticas) e as principais questões em torno das consequências do pastoreio com cabras de um ponto de vista ambiental. Nas entrelinhas percebe-se que os efeitos prejudiciais para o ambiente advêm de práticas de maneio impróprias e pressões muitos elevadas de pastoreio e que o pastoreio com cabras pode ser uma ferramenta de conservação quando gerido adequadamente. Pressões de pastoreio moderadas podem ser compatíveis com elevados níveis de biodiversidade e garantem externalidades importantes, e pressões elevadas poderão ser interessantes para o controlo de vegetação invasiva. O património genético caprino está seriamente ameaçado e requer mais investigação e apoio das instituições nacionais e internacionais, em paralelo com outros esforços de desenvolvimento rural, especialmente em áreas remotas que constituem reservatórios de diversidade doméstica animal adaptada às condições locais e gerida por comunidades adaptadas. Uma abordagem multidisciplinar de cientistas, políticos, gestores de paisagem e comunidades locais é necessária para a elaboração de planos de gestão para um futuro sustentável.

https://www.researchgate.net/publication/233782162_Goat_grazing_its_interactions_with_other_herbivores_and_biodiversity_conservation_issues