Sistelo, um estudo participativo numa freguesia de montanha (Pereira, E. & Queiroz, C.F., 2009)

A paisagem de Sistelo, moldada pela intervenção humana, reflecte a adaptação de uma comunidade rural ao território de montanha.

O abandono progressivo das práticas agro-pastoris tradicionais em Sistelo, nos últimos 50 anos, coloca em causa a manutenção dos serviços locais de ecossistema que dependem da intervenção humana.

Ligação: http://islandlab.uac.pt/fotos/publicacoes/publicacoes_Pereira2009_SisteloUmEstudoParticipativoFreguesiaMontanha.pdf

Silvicultura com pastoreio de cabras para a prevenção de fogos florestais no Parque Natural de Doñana (Mancilla-Leytón J.M. & Martín Vicente A., 2011)

Resumo: Foram monitorizados os efeitos do pastoreio de cabras no sub-coberto florestal de um pinhal no Parque Natural de Doñana durante 24 meses sem aplicação de métodos destrutivos. Depois dos 2 anos o biovolume arbustivo diminuiu 28%. A composição florística (biodiversidade) não mostrou diferenças entre áreas pastadas e não pastadas, mas a abundância relativa de espécies (diversidade) foi afetada positivamente. As espécies da família das Cistaceae experienciaram a maior redução de biovolume. As diferentes respostas das arbustivas a este pastoreio podem ser usadas como ferramenta efetiva para o controlo de arbustos em áreas florestais, de forma a conseguir uma redução da vegetação que contribua para uma redução progressiva do risco de incêndio.

 

Artigo original: http://ressources.ciheam.org/om/pdf/a100/00801500.pdf

A pastorícia como componente estrutural da paisagem de montanha mediterrânica (2008, Castro, J. e Castro, M.)

A pastorícia desempenhou desde sempre um papel central na paisagem da bacia mediterrânica, tendo-a modelado e desenhado ao longo dos tempos. As relações
entre os herbívoros e a vegetação actuam a diferentes escalas nos ecossistemas e na paisagem, constituindo-se em importantes reguladores da sua configuração e
funcionamento.

https://bibliotecadigital.ipb.pt/bitstream/10198/7212/1/Paisagem%20Poster.pdf

Pastoreio nos Parques Naturais de Andaluzia:Uma ferramenta para a prevenção de incêndios e diversificação dos ecossistemas (Ruiz-Mirazo, J. et al, 2009)

Resumo: O Departamento de Ambiente do Governo da Andaluzia (Espanha) tomou recentemente a responsabilidade de integrar o pastoreio de gado extensivo como uma ferramenta para a prevenção de incêndios em vários Parques Naturais da região.

Com a participação de 19 pastores, 910 ha de corta-fogos são mantidos por rebanhos de ovinos e caprinos. O seu efeito é monitorizado e é realizada investigação específica para ajustar o sistema. Em troca do serviço prestado, os pastores são pagos proporcionalmente à superfície de corta-fogos que mantêm e ao resultado de controle biomassa que atingem. Este é um rendimento extra que direcciona os seus sistemas de produção para actividades sustentáveis integradas na conservação dos recursos da floresta.

Por outro lado, as plantações florestais extensas e deficientemente geridas de pinheiro e carvalho são comunidades que precisam de acções de diversificação (naturalização). Pastoreio intenso - por animais domésticos ou herbívoros selvagens - sempre esteve presente nas pastagens e florestas mediterrâneas, contribuindo para a sua diversidade e dinâmica. Por isso, o pastoreio de gado é hoje uma ferramenta que pode colaborar eficientemente com outras iniciativas na naturalização de muitos ecossistemas florestais simplificados.

Tanto a prevenção de incêndios como a naturalização (diversificação) são questões de gestão florestal fundamentais no século 21, e os criadores de gado têm a oportunidade de colaborarem, de melhorarem os seus sistemas de produção extensivos e de beneficiarem de ganhos sociais e económicos resultantes do reconhecimento do papel da sua actividade.

 

Artigo completo:http://digital.csic.es/bitstream/10261/42929/1/OPTIONS_pontedelima_descargado.pdf